Pokémon Go e a infantilização do homem moderno.

Escravo do Pokemón

Dias atrás vimos uma “nova” febre mundial… O jogo Pokémon Go. Sim, Pokémon! Lembra? Aquelas criaturas do desenho animado do final dos anos 90 e começo dos anos 2000.

O jogo usa geolocalização para inserir elementos do universo Pokémon em um ambiente virtual mesclado com mapas do mundo real e permite que cada pessoa, utilizando-se de seu smartphone, transforme-se num caçador e treinador de pokémons em potencial.

Até aí tudo bem. Um novo jogo no mercado, que qualquer pessoa pode ter acesso usando seu celular. Jogos para celular são bastante comuns. Essa mania começou com o jogo Snake (jogo da cobrinha) que todo mundo tinha nos “Tijorolas da vida”, passando pelo Candy Crush, Angry Birds e por aí vai.

Mas qual o problema então com o Pokémon Go?

O problema é seu público-alvo. Você, bravo leitor, acha que as crianças e adolescentes de hoje, já tinham idade para assistir Pokémon quando foi lançado na TV? Claro que não! Seu primeiro episódio tem quase 20 anos!!! O público desse jogo é essa “molecada” que hoje tem entre 20 e 30 anos ou mais… E, isso sim, pode ser encarado como um problema sério.

A busca pelo jogo é um fenômeno mundial. Com 19 dias de lançamento ele já havia batido a marca de 50 milhões de downloads e já tem no YouTube vídeos e mais vídeos de homens e mulheres correndo, gritando e competindo pelos pokémons nas ruas das grandes capitas do mundo todo.

Esses homens e mulheres, com seus “trinta e poucos anos”, não tinham de estar no trabalho, nas empresas, nas universidades (lecionando) ou em casa, cuidando dos filhos e afazeres do lar?

Vemos aí, claramente, mais uma peça desse quebra-cabeça chamado infantilização do homem moderno.

É possível constatar, atualmente, uma rejeição do homem à vida adulta. Antigamente, o menino virava homem muito mais cedo que na atualidade, começava a trabalhar antes, tinha senso de responsabilidade já com 13 anos ou menos. O termo “adolescente”, em minha opinião, é usado para estender a infância de um adulto que já deveria estar se virando para, no mínimo, ajudar nas atividades de sua própria casa… Realmente, não sei dizer se o adolescente é uma criança maior ou um adulto menor, e essa confusão não me “cheira bem”.

É público e notório que os homens de hoje estão fugindo das responsabilidades da vida adulta. Falar em namoro já não soa bem… Casamento e filhos, então? Xiii.”O cara” é aquele que ganha sua grana para pagar o churrasco do fim de semana, o futebol da quarta-feira, o videogame de todo dia! Existe uma busca por diversão a todo custo, a cada segunda-feira um choro de saudade nas redes sociais pelo fim de semana que passou. É lamentável ver homens de mais de 30, 40 anos, portando-se como moleques de 18 ou 20.

O homem moderno abre mão de suas responsabilidades, passa para frente seus deveres e sente medo de seus objetivos e metas. Já não são mais os pais que educam, pois as crianças, para dar um tempo de descanso “merecido” aos pais, vão para a escola cada vez mais cedo. Das babás vão para sala de aula. O dever de educar, que é dos pais, passa para um estranho, que é pago para isso… Nós já estamos vendo o resultado dessa inversão e omissão (nível crescente de analfabetos funcionais, ensino da Ideologia de gênero para crianças no ensino fundamental, doutrinação marxista, etc).

E o medo da comida, então? Tudo agora faz mal! O homem tem medo de comer carne, mas não tem medo de produtos químicos que alimentam sua vaidade. O homem perdeu a capacidade de resolver seus próprios problemas sozinho… Hoje ele chora atrás de um advogado, pedindo amparo ao Estado, por coisas que, provavelmente, com uma simples conversa, poderiam ser acertadas mais rapidamente.

O jogo Pokémon explodiu no mercado em razão da mistura entre essa “Síndrome de Peter Pan” e a fuga da realidade, fazendo com que os marmanjos se deleitem numa nostalgia exagerada, voltando à infância pela tela de um celular, enquanto as contas, prazos, horários e metas estão bem à sua frente.

Não preciso dizer aqui qual a missão do homem. Sabemos muito bem qual o desígnio de Deus para nós, e precisamos buscá-lo arduamente na batalha do dia a dia, por meio da oração, da Santa Missa e vivendo uma vida coerente.

“Há um momento para tudo e um tempo para todo propósito debaixo do Céu” (Ecl 3,1). Veja, eu não estou dizendo que se divertir depois de uma certa idade é errado. Eu não disse isso! Dar boas risadas, sair com amigos, ver um bom filme, ouvir uma boa música, tudo isso faz bem para o corpo e para alma e isso é inquestionável! Mas não é isso que estamos vendo hoje. O que vemos são homens regredindo mentalmente, tornando-se moleques mimados, reféns de seus impulsos e vícios, com a mídia e a tecnologia corroborando para isso. Preferem ter carros e animais de estimação a ter filhos. Preferem ter o mundo para ir, do que um lar para voltar. Chesterton, muito sabiamente, afirmava: “Uma nação que não tem nada além de seus divertimentos, não se divertirá por muito tempo”.

Este mundo não é uma praça de alimentação, não é uma festa. É o vale de lágrimas! Isso que você está buscando não vai preencher a sua alma, não trará uma verdadeira alegria. No fim, restará a amargura e o vazio, pois, como diz a música: “Toda dor vem do desejo de não sentirmos dor”.

Então, eu convido você, bravo leitor, a despertar para a realidade, sair desse estado de letargia espiritual e mental e reassumir seu papel de homem… agora!

Deus nos deu pessoas para que possamos ser para elas um refúgio. São João Bosco diz que “Deus nos colocou no mundo para os outros”, então saia de si mesmo, saia desse celular agora! Não corra atrás de pokémons, corra atrás da sua família… Não tenha criaturas virtuais, tenha filhos!

Amadureça e viva o presente, viva o hoje com todas as condições e deveres que ele traz. Vença a si mesmo e domine seu celular! Reflita se está sendo dominando por algo que você possui, que mede poucos centímetros… É hora de despertar e lutar!

“Sê firme e porta-te como homem” (1Rs 2,2).

Conte com a graça de Deus!!!

Reze muito, peça o auxílio de seu Santo Anjo da Guarda, que está ao seu lado somente esperando para lhe dizer o que Nosso Senhor quer de você. Peça a Deus a força e a coragem para mudar de vida e o discernimento para caminhar em Sua Santíssima Vontade. Existe um momento para cada coisa, e agora é hora de lutar com hombridade e destemor. A Cruz estará sempre à sua frente, bravo guerreiro. Existem pessoas para amar e batalhas para vencer.

 

“Há uma carreira a correr, uma vitória a alcançar. Cada hora em meu viver, Senhor, faz-me fiel”

 

Bravus, pela hombridade.

Você pode gostar...

6 Resultados

  1. Brock Tinyeyes disse:

    Olá Lucas.

    Venho aqui discordar do seu texto, porém não me leve a mal, mas o que me parece é que sua visão quanto ao produto é dotada de muitas impressões levianas, porém, percebo que não é somente sua culpa e a parcela disso vem do quanto a mídia vem explorando certos casos e certos blogs inventando tais a fim de gerar cliques, seja extrapolando enaltecendo-o ou depreciando-o.
    Vou relatar minha visão que é compartilhada por meus amigos, colegas de trabalho (inclusive meus chefes), namorada e família.
    Em geral, o público de Pokemon GO não deixam suas obrigações de lado. O que fazemos é nos horários livres abrimos o aplicativo, nos locomovemos para onde precisamos ir e simplesmente nos divertimos (ida e volta de ônibus, hora do almoço, correndo).
    O público alvo certamente é sim os de acima de 20 anos. Nós fãs mantemos a nostalgia da primeira geração, somos mais propensos a ter o poder aquisitivo sermos adeptos à tecnologia que eles nos apresentam em seu produto.
    Ao simplesmente ignorar este acontecimento de mudanças de paradigmas em nosso entretenimento virtual é ficar cego ao seu redor.

    • Sander disse:

      Eu era mais ler o catecismo ou rezar o santo rosário nos horários livres. Me parece mais importante 😛 Hahahaha. Obrigações a nós (católicos) não faltam. Sempre fui muito fá de pokémon, mas me nego a gastar meu tempo com isso. Há almas demais precisando de oração e assuntos demais para serem estudados para que eu me dê o luxo de gastar meu tempo livre catando monstrinhos.

      • Pires disse:

        Boa noite, então Sander o que impede ele de cumprir com as obrigações dele como católico, rezando o terço ou conhecer mais a doutrina católica, de usar seu tempo livre para utilizar o jogo em seu horário livre, acho que pra tudo há um tempo basta saber utilizá-lo.

  2. Thaian disse:

    Conteúdo de excelência. Obrigado, Bravus.

  3. Carla Vancsek Soares disse:

    Muito bom texto!

  4. Alexandro disse:

    Percebi a essência do texto. A maioria não conseguiu discordar sem ser ofensivo, ou seja, até o respeito que outrora era natural agora é jóia rara.

Deixe uma resposta