São José, modelo de virilidade

Depois de Jesus e de Maria, amai São José” (São João Bosco).

O primeiro homem a ser criado, Adão, teve sua dignidade masculina ferida, visto que, estando ao lado de Eva, permitiu que sua mulher cedesse aos enlaces da serpente e, logo após, ele mesmo, mergulhasse no abismo da soberba que nos levou todos à sequela marcante do pecado original e da concupiscência. Sua omissão imprimiu em nossa alma o engodo de considerarmo-nos deuses sem ao menos saber o que, de fato, é ser homem.

Ao longo da história da salvação, relatada nas Sagradas Escrituras, Deus elegeu homens que foram responsáveis por assumir e tornar concretos o chamado de Deus e a eleição do povo escolhido. De certo modo, pode-se considerar que o Criador, em sua infinita misericórdia e providência, no decorrer da história bíblica, por meio dessas figuras masculinas, foi reconciliando o ser homem e restaurando a masculinidade. Cada um deles foi escolhido livremente por Deus, que contou com suas virtudes e qualidades — conquistadas a duríssimas penas — para servirem de instrumento para a preparação da Vinda do Salvador.

Destes santos patriarcas, destaca-se a justiça de Noé, a fé de Abraão, a força e constância de Jacó, a sabedoria de José (filho de Jacó), a fidelidade e coragem de Moisés. Estes são apenas alguns exemplos de virtudes que, de certo modo, são antídotos à esfacelada figura emasculada de Adão.

São José é a chave do Antigo Testamento, na qual a dignidade patriarcal e profética obtém seu fruto prometido” (São Bernardino de Sena).

Não à toa, São José recebe o epíteto de Luz dos Patriarcas. O pai nutrício de Jesus reúne em si todas as virtudes dos antigos patriarcas e, sobretudo, sua virilidade contribui para a economia da Salvação, haja vista que suas atitudes como homem (líder, protetor e provedor) foram determinantes para que Nosso Senhor Jesus Cristo cumprisse sua missão salvífica.

Somente um homem de verdade poderia fazer tudo o que estivesse a seu alcance para salvaguardar e proteger a Santíssima Virgem e Nosso Senhor; tomaria decisões difíceis alicerçadas numa fé concreta; seria violentamente fiel a Deus e à Sua Palavra, lançando fora sua vontade própria; gastaria cada dia de sua vida, cada suor do seu rosto, numa profissão desgastante, para prover tudo o que fosse necessário e educar e fazer de Jesus um verdadeiro homem. Este é São José!

Justamente nos dias de hoje, com a crise da paternidade e ausência de figuras masculinas representativas, mergulhados na emasculação do primeiro homem, somos convocados a adentrar a escola de São José e assim trilhar um caminho rumo à verdadeira masculinidade e virilidade, permitindo que a graça de Deus e sua divina pedagogia restaurem em nós a vocação inicial que nos constitui.

De uma vez por todas, nós, homens, temos de evitar uma espiritualidade intrinsecamente feminina, isto é, com sentimentalismo, passividade e delicadeza. De fato, para as mulheres uma espiritualidade desse tipo ressalta sua identidade e dignidade — e, desse modo, não é algo negativo — , entretanto constitui um simulacro perigoso.

Ao fundamentar nossa virilidade na devoção ao Santo Patriarca, por meio de seu exemplo, é possível construir uma relação com Deus que nos impulsiona à masculinidade. Seu modelo de espiritualidade é extremamente enraizado na vida cotidiana, assumindo heroicamente os compromissos ordinários com atitude sobrenatural. São José é a pessoa mais íntima de Nosso Senhor Jesus Cristo e de Maria Santíssima e essa relação alimenta sua virilidade e o impulsiona a oferta de si cada vez mais profundamente. Sua fidelidade, sua castidade e sua confiança absoluta na vontade de Deus são alicerçadas sobre a sua fé decidida, não sentimental, mas baseada na razão e na graça.

Precisamos recobrar uma fé mais ativa, concreta, ousada, confiante e, principalmente, uma atitude de disposição diante da defesa dos valores cristãos. Avançar como um exército em ordem de batalha, cuja força movente é a vida de oração e a frequência aos sacramentos.

Deus utilizou-se da resposta viril de muitos homens ao longo da história da salvação para construir as bases da nossa sociedade e preparar um terreno fértil para a chegada do Salvador, remediando a masculinidade ferida de Adão. São José é o baluarte da restauração da dignidade masculina ferida em Adão. Hoje é a nossa sociedade e nossa fé que estão em jogo! Que resposta você está dando, bravo leitor?

Ite ad Joseph!

Bravus, pela hombridade

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. 31 de março de 2017

    […] é o garante e custódio de todas essas características, ou seja, desta substância objetiva do ser masculino na Igreja. Somos testemunhas, muitas vezes mudas e como possuídas por um estado de ataraxia, de como na […]

Deixe uma resposta