Brava Quaresma 2020: Castidade

Na Brava Quaresma deste ano nos dedicaremos à virtude da castidade, pois somente dominando-nos a nós mesmos poderemos nos oferecer a Deus a aqueles que amamos.

“O Pai me ama, porque dou a minha vida para a retomar. Ninguém a tira de mim, mas eu a dou de mim mesmo e tenho o poder de a dar, como tenho o poder de a reassumir. Tal é a ordem que recebi de meu Pai” (Jo 10,17s)

Como é possível a um homem ofertar a própria vida se não a possui verdadeiramente, se não tem domínio sobre si? Um escravo tem autonomia sobre seu próximo passo, seu futuro? Do mesmo modo, como é possível a nós, tão presos a nossas paixões, abraçarmos livremente a nossa Cruz e seguirmos os passos de Nosso Senhor?

Desde o início do Apostolado Bravus temos reafirmado que a natureza principal do chamado do homem é ofertar a própria vida. Isso é alcançado à medida que abraçamos a nossa cruz de cada dia, nas pequenas coisas, nos sofrimentos cotidianos, no silêncio e no escondimento da vida ordinária. É a virtude de corresponder ao chamado de Deus em cada simples ato, onde estamos plantados, como filhos, esposos, pais, amigos e profissionais. No entanto, para concretizar essa tarefa, que só é possível se permeada pela graça, é necessário possuir a si próprio.

Quando Nosso Senhor Jesus Cristo faz a seguinte afirmação: “Ninguém a tira (vida) de mim, mas eu a dou de mim mesmo” emana de seus lábios a integridade de um homem que, unicamente por possuir-se a si próprio (domínio de si), tem a capacidade de abraçar os desígnios de Deus e oferecer-se pelos demais (dom de si). Desse modo, fica evidente que para chegar ao dom de si é necessário, antes, obter o domínio de si. Esse é o percurso que somos continuamente convocados a trilhar: romper, com violência e auxílio da graça, com os grilhões das paixões para poder, possuindo-se, desfrutar da liberdade de ofertar a própria vida.

“A castidade implica uma aprendizagem do domínio de si, que é uma pedagogia da liberdade humana. A alternativa é clara: ou o homem comanda as suas paixões e alcança a paz, ou se deixa dominar por elas e torna-se infeliz” (Catecismo da Igreja Católica, 2339).

Castidade, muito além da abstinência sexual

Diferentemente do que muitos pensam, a castidade não está restrita à abstinência sexual. Ela diz respeito à integração da sexualidade em seu sentido amplo e, portanto, uma compreensão abrangente a respeito do corpo e do espírito. 

A energia sexual é algo intrínseco ao homem e não deve ser compreendida negativamente ou sob um aspecto pecaminoso. A sexualidade é um dom de Deus para que o homem viva com profundidade a caridade e experimente a unidade e doação da Santíssima Trindade em seu próprio ser. 

O corpo é o instrumento para que o amor se materialize, é o meio pelo qual o homem ama e é amado, em todos os níveis da caridade. Não se trata de coincidência o fato de Jesus encarnar-se, possuir um corpo, e, depois da Cruz, ressuscitar esse mesmo corpo e retornar à Santíssima Trindade. Reafirmando ainda mais a relevância do corpo, Jesus instituiu o Sacramento da Eucaristia, centralizando e tornando sempre atual essa questão.

Desse modo, a castidade diz respeito à correta medida de amar a Deus, amar ao próximo e amar a si próprio. Cada um desses aspectos separados e, ao mesmo tempo, simultaneamente.

Por que a castidade é uma questão urgente?

O demônio quer destruir nossa capacidade de amar e isso pode nos custar a eternidade. É algo que parece ultrapassado, e até mesmo fundamentalista, principalmente em tempos em que é moda seguir o cristianismo como cultura e ignorar sua moral. Contudo, a verdade é que estamos nesta vida traçando nosso destino para o Céu, para a perfeita comunhão com a Santíssima Trindade, e ter um coração que arde em caridade é condição sine qua non para isso.

A luxúria, a pornografia, a fornicação e a masturbação são atos deliberados que resultam de uma desordem do espírito, atingindo o corpo. Ou seja, o espírito ama mais a si próprio e o prazer, quebrando a tríade que contempla o amor a Deus e aos irmãos. O outro, por consequência, é coisificado, perdendo a dignidade, para se tornar objeto do prazer. São circunstâncias terríveis que negam a caridade na essência. Tornamo-nos amantes do prazer e fugimos da dor e, sobretudo, passamos a ser vítimas dessa desordem, que resulta na autodestruição. O real convite de Cristo, tanto como seu próprio exemplo, é o oposto: abraçar a dor caso seja um meio para amar com mais intensidade.

“Porque aquele que quiser salvar a sua vida, irá perdê-la; mas aquele que tiver sacrificado a sua vida por minha causa, irá recobrá-la” (Mt 16, 25).

A castidade na Brava Quaresma

A oração, a ascese e a caridade são as armas a serem utilizadas nessa batalha. São os remédios para tratar o amor desordenado a Deus, a nós mesmos e ao próximo. Ter consciência do quão enredado se está no que diz respeito às paixões e pecados sexuais é o ponto de partida para chegar mais perto da liberdade.

Não teremos soluções mágicas e instantâneas. A obra do amor é um grande castelo, que é construído aos poucos, com muito custo, com a vida e a cada dia. Com suor, lágrimas e sangue. Desse modo, é necessário ter paciência, perdoar-se a si próprio e reconciliar-se com Deus. 

“O domínio de si é uma obra de grande fôlego. Nunca poderá considerar-se total e definitivamente adquirido. Implica um esforço constantemente retomado, em todas as idades da vida (92); mas o esforço requerido pode ser mais intenso em certas épocas, como quando se forma a personalidade, durante a infância e a adolescência” (Catecismo da Igreja Católica, 2342). 

Participe ativamente dos exercícios diários que vamos propor no decorrer desse tempo de Quaresma. Seja exigente consigo próprio, saia da sua zona de conforto e mergulhe na misericórdia de Deus. Tenha em mente que “um santo é um pecador que continua tentando” (São Josemaria Escrivá), que a quaresma é o momento propício para recomeçar. Contudo, é preciso ter uma “decisão decidida”, um firme propósito, uma resposta viril diante das fraquezas.

Conte com nosso apoio e oração. Consagramos esta Brava Quaresma e nosso apostolado ao Castíssimo Coração de São José! Pedimos aos santos homens que intercedam por nós nesta batalha pela castidade.

Castíssimo Coração de José, rogai por nós!

Bravus, pela hombridade. 

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: